domingo | 21.04 | 8:13 AM

O que se sabe sobre infecção por coronavírus em gatos

0Comentário(s)

Poucos meses depois de declarada pandemia, em maio de 2020, um estudo publicado no periódico Nature relatou casos de cães infectados em casas de pessoas que testaram positivo para a covid-19 em Hong Kong. Dos 15 animais examinados, dois estavam infectados pelo sars-cov-2. Na época, o que os pesquisadores sugeriram é que a transmissão homem-animal poderia acontecer, no entanto, não estava claro se o inverso era verdadeiro. 

Passado quase um ano desse trabalho, as evidências científicas sobre o tema não parecem ter mudado. Recentemente, Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) e o Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC, da sigla em inglês) atualizaram seus pareceres sobre o assunto. A OIE é enfática ao descrever que “não há evidências de que os animais de companhia estejam desempenhando um papel epidemiológico na disseminação de infecções humanas por sars-cov-2″. O CDC, por sua vez, diz que a maioria dos registros ocorreu após os animais terem contato próximo com humanos contaminados. E complementa: “Com base nas informações limitadas disponíveis até o momento, o risco de os animais disseminarem a covid-19 para as pessoas é considerado baixo”.  

Em uma ficha técnica atualizada em janeiro, a OIE detalhou o grau de suscetibilidade de caninos e felinos à infecção por sars-cov-2 e também a capacidade de transmissão deles. De acordo com o documento, os gatos têm alta suscetibilidade à infecção (natural e em laboratório), porém, só transmitem o vírus entre felinos. Já os cães têm baixa suscetibilidade (natural e em laboratório) e não transmitem o sars-cov-2. 

 —  Temos menos de 10 detecções no Brasil. Claro que tudo muda, mas por enquanto, os gatos não participam como transmissores. Eles são vítimas do processo  —  destaca Fernando Spilk, professor de virologia do curso de Medicina Veterinária da Feevale. 

Estudo nacional descarta transmissão 

O estudo multicêntrico PET Covid – conduzido por universidades federais brasileiras de seis capitais e com o objetivo analisar o risco de transmissão homem-animal – encontrou os mesmos achados das pesquisas internacionais, descartando a disseminação de sars-cov-2 de felinos e caninos para humanos. 

 —  Até agora, após todos esses meses de pandemia, os resultados que temos nos levam a concluir que cães e gatos não participam do ciclo de transmissão do vírus. Embora se infectem e possam demonstrar alguns sinais respiratórios ou digestivos, no geral, não se detecta mais o vírus no animal após três a 15 dias, dependendo da espécie  —  disse o coordenador do estudo, Alexandre Biondo, em dezembro, ao site da UFPR. 

O trabalho brasileiro, anunciado em outubro de 2020, também afirma que não há relatos de doenças em espécies animais provocadas pelo sars-cov-2. Isto é, a covid-19 afeta apenas humanos. 

Cuidados  

Biondo acrescenta que essa contaminação entre humanos e animais ocorre acidentalmente, por meio do contato com gotículas da pessoa infectada. Dessa forma, a recomendação é, quando infectado, o tutor deve evitar contato com seus pets.  

  —  Assim como se faz distanciamento das outas pessoas da casa quando se está positivado, o ideal é fazer o mesmo com os animais. Não é jogar para a rua, mas ter menos contato, não dormir junto, fazer menos carícias para evitar que eles peguem  —  indica Spilk. 

Caso não seja possível evitar o contato, o CDC indica que medidas de higiene e proteção, como uso de máscara, sejam reforçadas. Outra orientação é evitar que os animais de pessoas infectadas tenham contato com pessoas de fora do domicílio. 

Fonte: GZH Saúde

Foto: BravissimoS/Getty Images

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *